Editorial

A alegria de compartilhar

Quando eu era pequena gostava de saber o que os jornais nos contavam. Depois, passei a gostar mais dos livros porque, enfim, tinham algo que os periódicos evitavam: o olhar de quem escrevia sobre os fatos. Mais adiante, passei a amar a mídia impressa novamente porque descobri os colunistas, os cronistas e os editoriais. Gostava de me admirar com o pensamento de outras pessoas. Várias vezes, diferente do meu.

Este espaço foi criado para falar de tudo que brilha e se apaga na vida cotidiana, de como o dia a dia pode ser extraordinário. Inevitavelmente, algo de mim e de você estará impregnado nesses acontecimentos. Como uma casa com infiltração que, quando menos esperamos, desmorona.  Essa queda, quase sempre, é meu tipo de material predileto para elaborar qualquer trabalho. Se sorrir, sorrimos. Se chorar, choramos.

São artigos que passeiam sobre as pessoas, as situações, as vivências e os afetos. Tudo que pode ser compartilhado para o bem-estar, a mudança e a alegria.  E, vocês sabem, quando falo em alegria sempre é a espinosana — aquela que eleva nossa potência.

Então, antes de tudo, eu desejo que cada texto seja uma potência para você. Que seja alegre mesmo quando tratar dos tombos diários que temos. Que afete. Assim como muita gente me afeta, melhorando o meu olhar. Essa é a natureza dos encontros alegres.

Muito obrigada por ter vindo!